Em 1904, Kafka escreveu a seu amigo Oskar Pol ak: "No fim das contas, penso que devemos ler somente livros que nos mordam e piquem. Se o livro que estamos lendo não nos sacode e acorda como um golpe no crânio, por que nos darmos ao trabalho de lê-lo?
Para que nos faça feliz, como diz você? Meu Deus, seríamos felizes da mesma forma se não tivéssemos livros. Livros que nos façam felizes, em caso de necessidade, poderíamos escrevê-los nós mesmos. Precisamos é de livros que nos atinjam como o pior dos infortúnios, como a morte de alguém que amamos mais do que a nós mesmos, que nos façam sentir como se tivéssemos sido banidos para a floresta, longe de qualquer presença humana, como um suicídio. Um livro tem de ser um machado para o mar gelado de dentro de nós. É nisso que acredito".






de Uma história da leitura. 


3 Comentários

  1. Concordo parcialmente com Kafka, a maioria dos meus livros favoritos realmente mexeram muito comigo, mas também gosto de ler livros que me deixem feliz, acho que tudo depende do momento.
    Beijos
    Bluebell Bee

    ResponderExcluir
  2. Livros marcantes e que abalam as nossas estruturas são os mais importantes, mesmo. Gosto de ler aqueles lights que não provocam grande impacto, só pra me distrair e acalmar o coração, mas esses que fazem nossa mente viajar numa montanha russa de emoções, são únicos.

    xx Carol
    http://caverna-literaria.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Ele tem razão e sou apaixonada por esse escritor.
    Ele é incrível e tenho vários livroa dele.
    Art of life and books.

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar meu espaço. Fico muito feliz com comentários, mas apenas sobre a postagem. Opiniões, elogios e críticas construtivas são bem-vindos.
Para outros assuntos, use o formulário de contato.