Quem nunca teve um amigo de papel não sabe o que está perdendo. É muito fácil ser amigo de um personagem porque eles se revelam por completo e você pode saber exatamente quem ele é. Eu li Para todos os garotos que já amei inteiro pensando ' Lara Jean me entenderia'. Porque nós sempre queremos um amigo que se pareça com a gente e entenda nossas neuras.
Eu não poderia falar com alguém real sobre medo de me perder na própria cidade, medo de dirigir, medo de nunca ser madura o suficiente. Ninguém falaria sobre isso. Mas como é um livro Lara Jean fala sobre tudo isso e me proporciona rir de situações em que já me encontrei ou poderia me encontrar facilmente.
Ela é uma descendente de coreanos que perdeu a mãe muito cedo e mora com o pai e as duas irmãs. Margot é a irmã mais velha e o exemplo de controle, independência e maturidade, Lara Jean quer ser como ela, especialmente para ter o respeito e admiração da irmã mais nova, Kitty, mas isso é bem difícil.
A vida de Lara Jean vai muito bem como pode ser a vida de uma garoa caseira que não tem muitos amigos ou namorado, até que as cartas secretas que ela escreve para os garotos que já amou são entregues para os rapazes. Ela escrevia as cartas apenas para falar dos seus sentimentos e conseguir se libertar do sentimento que ela não espera ser correspondido. Ela nunca imaginava que alguém iria encontrar as cartas e enviar.
Um dos garotos que ela amou e recebe a carta é Josh, o namorado de Margot e grande amigo da família, a carta vai despertar sentimentos que ambos consideravam mortos. Outro garoto é o Peter, um desses garotos bonitões e populares da escola. Lara Jean tem essa coisa de só se apaixonar por garotos impossíveis, Peter fala isso para ela em determinado momento. Ela tem tanto medo de se envolver que prefere nutrir paixões platônicas que só vão viver nos sonhos dela do que viver um sentimento que é real e está bem na frente dela.
Quantas vezes não agimos como Lara Jean e não corremos atrás dos nossos sonhos porque na imaginação é muito mais fácil? Infelizmente não temos ninguém para espalhar nossos segredos e fazer uma reviravolta em nossas vidas a não ser que nós mesmos tomemos a iniciativa.



ISBN-13: 9788580577266
ISBN-10: 8580577268
Ano: 2015 / Páginas: 320
Idioma: português 
Editora: Intrínseca



Eu li Menino de engenho na faculdade para um trabalho da aula de Produção Literária do Nordeste e foi um dos trabalhos mais prazerosos que eu fiz durante o curso. desde então eu planejo ler os outros livros do ciclo da cana-de-açucar, mas os anos foram se passando e isso sendo adiado. Dias desses, porém, adquiri Doidinho na Estante Virtual e li em poucos dias.
Carlinhos deixa o engenho Santa Rosa e vai para um colégio interno. No colégio do professor Maciel ele começa a aprender na lei da palmatória. Maciel é um tutor tão rigoroso que faz Carlinhos nervoso a ponto de errar até o que ele já sabia e assim o menino acaba apanhando mais.
Aliás, no colégio, ele não é mais Carlinhos, todos os alunos são apelidados uns pelos outros e devido aos seus nervosismos, ele é apelidado de Doidinho. O colégio é uma prisão com pessoas não amigáveis, falta de conforto e higiene, alimentação insuficiente. Doidinho sente-se injustiçado e enjeitado por estar lá, por sofrer muitos castigos devido a sua dificuldade de aprender, por não receber agrados e visitas dos parentes como os outros meninos e pensa que se tivesse pai e mãe não sofreria assim.
Ele pensa que os meninos da escola são malvados, mesmo m colega acaba revelando aos outros que o pai de Doidinho matou-lhe a mãe e está preso como louco. O único orgulho do garoto é receber uma visita do avô e mostrar aos colegas como o seu avô é poderoso, como as pessoas na região o respeitam.
Coruja é o único amigo que ele faz na escola, um menino de coração bom, que o ajuda e com quem ele tem as melhores conversas. Mesmo dentro do colégio, Doidinho experimenta diferentes paixões, o amor platônico por Maria Luiza, uma das alunas externas, com quem ele nunca pode trocar uma palavra e o sexo carnal com a preta Paula que trabalha na cozinha.
Contando suas memórias do colégio, Carlos descreve a vida desses adolescentes de engenho, cujos parentes sonham em ver tornados em doutores, mas ele sente mesmo é saudade do engenho, suas memórias incluem as neuroses da mente do menino cismado com doenças, mortos e medo da morte.
É uma leitura muito gostosa, a escrita do José Lins é uma das minhas favoritas. Eu tenho isso, se gosto do estilo de um escritor, leio qualquer história em poucos dias. Essa é uma delas, o leitor consegue entrar na alma do personagem e viver essa fase com ele.


O perfil dos personagens negros


Embora o protagonista, como na maioria dos romances, seja branco, ainda é interessante tentar traçar um perfil de como as mulheres negras eram retratadas.Eu pude observar três diferentes perfis dessas mulheres, claro, sob o ponto de vista de Carlinhos.
O mais evidente desde o primeiro livro é o da negra sexualizada, é com elas que os meninos de engenho conhecem as primeiras aventuras sexuais, elas se mostram, provocam e os procuram sexualmente. Talvez uma fantasia do autor? Muitas negras jovens são tidas como perdidas no mundo graças a perda da virgindade ou gravidez causadas por senhores de engenhos. Pelo conhecimento prévio, ainda tendo a imaginar que realisticamente a maioria dessas relações eram forçadas. Nas narrações do personagem, as negras eram demônios sensuais oferecendo-lhe o pecado durante um banho.
Em segundo lugar há a boa e velha negra que é como um animal doméstico da família, ela recebe uma certa consideração pelo tempo que pertence a essa família e fala dos senhores com respeito e carinho.
O terceiro perfil que eu particularmente achei interessante nesse livro foi representado por uma ajudante temporária da negra Paula. ela nasceu após a lei do ventre-livre e nunca foi escrava. Ela contava histórias de negros que se vingavam dos brancos, que os envenenavam com encantos e magia para que pagassem os castigos injustos.
Através dessas pequenas passagens, podemos ir resgatando as histórias dessas personagens que até hoje não são destaque na literatura.


Eu falo que eu estou em crise financeira desde 1986 e é por isso que passar em um concurso e ter estabilidade é tão importante para mim. Eu sei que eu já passei em um, mas enquanto a nomeação não chega, eu quero tentar voos mais altos.
Essa necessidade de decorar leis e estudar até Matemática que eu odeio, acaba me afastando do que mais gosto de fazer que é ler ficção, a minha listinha de desejos só aumenta e acumula.
Atualmente eu estou lendo:

A graça da coisa- Martha Medeiros

porque crônicas sempre são uma leitura rápida e Martha Medeiros me inspira muito, eu gosto do jeito dela de ver a vida e eu aprendo muito. Normalmente eu leria em um dia, mas como estou indo com calma eu só leio uma ou duas crônicas por dia :(

E na minha lista imediata estão:

A vida em tons de cinza - Ruta Sepetys
Como eu era antes de você - Jojo Moyes
Para todos os garotos que já amei - Jane Han
Meio Sol Amarelo - Chimamanda Adichie
História do Rei Transparente - Rosa Montero

Além dos outros que eu já comprei faz tempo e ainda não li, então boa sorte para mim em encontrar tempo para toda essa vontade de leitura.


O Bookviser é o leitor de ebook do Windows Phone. Nesse quesito o sistema está de parabéns, quando eu usava o Android eu nunca encontrei um leitor tão bom que não ficasse travando. O único problema que eu tenho com ele são as lojas online que são todas estrangeiras e não têm livros em Português. Mas em compensação, é muito fácil abrir todos os meus livros nele.
Muitos livros clássicos estão em domínio público e são disponíveis em epub, basta baixar no celular e ler no aplicativo.
Eu gosto sempre de ter um livro, então ele é ideal porque com ele eu levo muitos livros comigo.
Quanto ao conteúdo para estudar é mais trabalhoso, mas eu acho que também vale a pena. Eu gosto de comprar apostilas digitais e elas são em pdf. Nesse caso, eu posso converter online para epub. Eu uso esse site: http://ebook.online-convert.com/convert-to-epub


Depois de convertido, basta enviar para o computador e abrir com o Bookviser. As tabelas e imagens infelizmente ficam distorcidas, eu li que isso também acontece com o Kindle, parece que o único aparelho bom para ler pdf é o Lev da Saraiva. Mas o texto fica legal para ler e dar aquela revisada na apostila sem perder o tempo precioso que se passa fora de casa ou esperando em alguma fila.