O teorema  Katherine narra a história do ex-menino-prodígio e ex-futuro-gênio Colin. Colin passou pela incrível coincidência de namorar dezenove vezes garotas chamadas Katherine e levar o fora todas as vezes. Ainda apaixonado pela última Katherine, ele quer fazer alguma coisa notável para que ela veja o quanto ele é importante.
O problema de Colin é que ele era um menino prodígio, aprendia com muita facilidade, mas aos poucos as outras pessoas conseguem acompanha-lo e ele está se tornando um garoto normal. Se é normal ser nerd e ser odiado por todos os colegas da escola. Ele não quer ser normal, ele quer provar ao mundo que é importante, quer deixar a sua marca. Ou essa fala é de Augustus Waters de A culpa é das estrelas?! Sim, os dois personagens de John Green sofrem da mesmo medo de serem esquecidos.
Acontece que Colin não sofre de nenhuma doença grave, o que o torna ainda mais desagradável, é fácil entender porque ele só tem um amigo, o esquisito, preguiçoso e engraçado Hassan. Para ajudar a curar a depressão pós-fora do amigo, Hassan o convida para uma viagem de carro sem destino.
Assim eles vão parar na minuscula cidade de Gutshot, conhecem a flexível, Lindsey e são convidados para trabalhar pela mãe dela.
Durante todo o tempo na cidade, Colin tenta elaborar um teorema que explique e preveja os relacionamentos, quanto tempo vai durar e quem é que vai terminar. Esse é a forma que ele pretende usar para ficar famoso, deixar a sua marca e provar para Katherine XIX que ele é um gênio que merece o amor dele. 
Se o personagem principal algumas vezes é entediante e irritante por seu egoísmo e complexo de grandeza, Green torna a leitura fácil e agradável, tanto que eu o li em poucos dias.
Toda a jornada de Colin na cidade com Hassan e Lindsey o leva a perceber que não há como prever o futuro, esse pode ser infinito e permite que absolutamente tudo aconteça, inclusive Hassan arrumar uma namorada e ele se apaixonar por uma não-Katherine.
E a moral disso tudo é que todos seremos esquecidos um dia, até os maiores gênios, os melhores inventores, as figuras históricas. Talvez possamos durar um pouco mais através do que deixamos, mas só um pouco mais.
É um livro bom, por falar nisso, é bem mais esquecível que outros, mas não deixa t=de ter seu valor.


Livro: O teorema Katherine
Autor: John Green
Páginas: 224
Editora:Intríseca





Deixe um comentário

Obrigada por visitar meu espaço. Fico muito feliz com comentários, mas apenas sobre a postagem. Opiniões, elogios e críticas construtivas são bem-vindos.
Para outros assuntos, use o formulário de contato.