Cada um de nós reage de forma diferente às mudanças trazidas pela vida. A época em que nos consideramos jovens começa por passar tão rápido que quase não conseguimos registrar cada sensação. Como seria bom ter o dom de observação que tinha Clarice Lispector. Em Crônicas para jovens: de amor e amizade há momentos preciosos, frutos de lembranças, observações e vivências pessoais.
Em A descoberta do mundo, acompanhamos uma menina de treze anos se chocando com a sexualidade. Quantos pessoas registraram esse momento? Eu nem mesmo consigo lembrar, me considero quase tão precoce quanto ela, eu gostava dos meninos da escola, mas era tímida demais para admitir e tinha medo do inferno, acho que foi pela televisão que descobri os mistérios do amor.
Em "A favor do medo", a reação de uma mulher ao ser convidada para um 'passeito', o que passa por uma mente feminina ao receber um convite masculino me lembrou uma passagem do romance A carne de Júlio Ribeiro em que Lenita recua ao desejar se entregar a Manuel e o narrador naturalisticamente fala sobre o medo que a fêmea tem do macho, a primeira reação é o medo. Clarice chama de reminiscência da Idade da Pedra, talvez algum homem das cavernas a tenha arrastado para um 'passeito' sem volta.
Tenho enraizados alguns pensamentos nesse sentido, talvez para os homens um encontro com uma mulher possa ser esquecido horas depois, mas as mulheres só mais recentemente descobriram que também podem sair quase ilesas das consequências e mesmo um passeio pode não ser nada mais que isso, mas fico feliz em saber que alguém tão assumidamente era a favor do medo.
Fico feliz em ter em mãos esse pequeno diário da escritora. Na época em que li A paixão segundo G.H., eu não tive a maturidade ou o preparo para compreender o que falam sobre a obra, eu não sei se hoje eu tenho, mas foi uma opção feliz encontrar esse livro tão mais fácil, menos exigente.
Estou lendo em um período de grande perturbação interna e é como se cada linha me avisasse " Calma, isso é normal, as relações humanas são assim mesmo, o amor é assim mesmo, a amizade é assim mesmo, encontre um pouco de encanto na realidade.



Quotes de Crônicas para jovens: de amor e amizade


"tudo o que ela decidira, demoraria anos até poder alcançar. Ou até nunca alcançar."

O que nos salva da solidão é a solidão de cada um dos outros. Às vezes, quando duas pessoas estão juntas, apesar de falarem, o que elas comunicam silenciosamente uma à outra é o sentimento de solidão.



E sinto-me um pouco como se estivesse vendendo minha alma. Falei nisso com um amigo que me respondeu: mas escrever é um pouco vender a alma.


Quando o amor é grande demais torna-se inútil: já não é mais aplicável, e nem a pessoa amada tem a capacidade de receber tanto. Fico perplexa como uma criança ao notar que mesmo no amor tem-se que ter bom senso e medida. Ah, a vida dos sentimentos é extremamente burguesa.


Então por um momento os dois se apagaram na doce escuridão tão profunda que eles eram mais escuros que a escuridão, por uns instantes ambos eram mais escuros que as negras árvores, e depois tão escuro que, quando ela tentou erguer os olhos até ele, só pôde ver as ondas selvagens do universo acima dos ombros dele, e então ela disse: ’ Sim, acho que te amo.’


Crônicas para jovens: de amor e amizade/Clarice Lispector. Rio de Janeiro: Rocco Jovens Leitores,2010 - Primeira edição.


Um Comentário

  1. Preciso ler esse livro! Gostei muito do seu post. Clarice escreveu coisas lindas e interessantíssimas.

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar meu espaço. Fico muito feliz com comentários, mas apenas sobre a postagem. Opiniões, elogios e críticas construtivas são bem-vindos.
Para outros assuntos, use o formulário de contato.