Sinopse



: Crônicas encantadoras sobre expectativas e acontecimentos reais, escritas por alguns de nossos maiores escritores - Carlos Drummond de Andrade, Fernando Sabino, Rubem Braga e Paulo Mendes Campos
Devia escrever uma resenha, mas o livro pode outra forma qualquer, mais livre. Eu não li, eu encontrei quatro autores, cronistas maravilhosos e velhos amigos. Eles me contaram logo como começaram a escrever em um tempo em que não havia blogs. Rubem Braga se emocionou até em ver seu nome em letra de forma pela primeira vez! Dá pra acreditar? O irmão dele fundou um jornal e ele passou a publicar artigos e crônicas. Carlos Drummond de Andrade confessou que gostava de fazer redação na escola, mais velho ele escrevia e trocava opiniões com amigos também escritores, "Aprendi muito com os amigos, e tenho pena dos jovens de hoje que não desfrutam desse tipo de amizade crítica.". Ele tem pena de mim porque meus amigos sempre falam que escrevo bem e tenho talento. Obrigada, Carlos. Já Fernando Sabino descobriu-se na arte de recontar histórias, só não gostei quando ele fez isso com Dom Casmurro, mas isso já é outra história. Ele participava de concursos de crônicas e às vezes ganhava. E seus amigos escritores também foram fundamentais. E Paulo Mendes Campos, que eu nem conhecia, foi logo contando suas aventuras, fugiu de casa e consequentemente já teve matéria para um memorial. Já conhecia algumas crônicas do tempo do colégio, " Com o mundo nas mãos" sabia quase de cor, em cada uma o registro irônico, filosófico, sarcástico,de uma cena banal ou crucial da humanidade ou do homem individual. Deveríamos ler mais crônicas e escrever mais crônicas variadas, de diferentes regiões, de diferentes populações. Mas a minha favorita é “Para Maria da Graça” de P.M.C. É uma dedicatória num livro que dá de presente a uma menina de 15 anos, receoso de que ela se perca nas loucuras de Alice ( ou da vida?) ele faz uma interpretação cheia de conselhos e verdades, tão lindo que dá vontade de chorar.
" Os homens vivem apostando corrida, Maria. Nos escritórios, nos negócios, na política, nacional e internacional, nos clubes, nos bares, nas artes, na literatura, até amigos, até irmãos, até marido e mulher, até namorados, todos vivem apostando corrida.São competições tão confusas, tão cheias de truques, tão desnecessárias, tão fingindo que não é, tão rídiculas muitas vezes, por caminhos tão escondidos, que, quando os atletas chegam exaustos a m ponto, costumam perguntar: " A corrida terminou! mas quem ganhou? "
Eu me pergunto também, quando seremos capazes de amar alguém a ponto de querer vê-lo à nossa frente? 






2 Comentários

  1. Minha Linda, gostaria de agradecer pelo carinho que você tem pelo o meu Blog e dizer que fico muito feliz de ter sua amizade.
    Gosto também muito do seu Blog, pois além de você escrever muito bem, você posta coisas diferentes e interessantes.
    Eu acho bacana isso, porque cada um posta de uma maneira em seus Blogs e o seu jeito é muito bom.

    Espero que de coração você faça muito, mais muito sucesso viu ?!
    Estarei sempre aqui na torcida por você.

    beijinhos

    lovereadmybooks.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Gostei da resenha me deu um gostinho de como devem ser boas as crônicas desse livro. :)

    Muito obrigada pelo comentário no meu blog e volte sempre!

    Thoughts-little-princess.blogspot.com

    ResponderExcluir

Obrigada por visitar meu espaço. Fico muito feliz com comentários, mas apenas sobre a postagem. Opiniões, elogios e críticas construtivas são bem-vindos.
Para outros assuntos, use o formulário de contato.