Eu nunca sei mesmo quando você vem, você nunca avisa e talvez seja eu que te chame de alguma maneira que eu esqueço, mas é desnecessário porque é como se você estivesse sempre aqui, como se ainda morássemos na mesma casa, dividíssemos o mesmo quarto. E talvez por isso eu não te dê muita atenção, eu nunca dou atenção para as pessoas  que eu gosto e estão sempre comigo porque parece que elas estarão sempre comigo mas hoje eu sei que não. Essa palavra ‘sempre’ mexe muito comigo e eu não gosto mais dela. Se você não foi para sempre então eu não quer que nada mais seja.
Mas quando você chega assim, como se nunca tivesse ido embora, eu esqueço que você foi e não te dou muita atenção, é como uma viagem no tempo. Você me chamou pra ler o jornal com você, como você sempre me chamava pra ler algo pra você. Eu não quis, jornais são chatos, falei. Você ficou lendo com seu filho, aí eu lembrei que daqui a pouco você ia embora de novo e me cheguei, encostei-me ao teu ombro pra ler. E eu pensei que era assim que as coisas deveriam ser. Talvez eu duvide de deus  porque as coisas não são como deveriam ser, não estão como deveriam estar. Não é uma espécie de vingança ou cobrança, é que as coisas não têm nenhuma lógica ou explicação e se alguém tivesse criado isso tudo as coisas estariam como deveriam estar. Talvez eu não seja ninguém para saber como tudo deveria ser, mas eu cansei de não ser ninguém sentindo que sou alguém, então o que eu sinto eu falo, correndo o risco de que me odeiem ou repreendam. Detesto essa gente conformista que acha que é tudo culpa nossa que já nascemos pecadores, mas eu não quero pensar neles agora porque você já foi embora e eu não sei se um dia vou te ver de novo. Eu acho que eles também não acreditam, eles não agem como quem acredita, só fingem porque a verdade pesa demais. E na hora do desespero é preciso ter alguém mais forte que nós. Talvez, se existir um deus ele não seja tão vingativo e me perdoe, mas não vou chamá-lo só na hora da morte, nem sei se terei tempo, muitos não têm, deve ser muito rápido, um veiculo bate no seu, uma bala perdida, o último suspiro e você não é mais.


Deixe um comentário

Obrigada por visitar meu espaço. Fico muito feliz com comentários, mas apenas sobre a postagem. Opiniões, elogios e críticas construtivas são bem-vindos.
Para outros assuntos, use o formulário de contato.